img_20161125_105742984
Journal

Estudantes do SENAI participam de bate papo e exibição do filme “Òrun Àiyé”

img_20161125_105742984
Estudantes participam de bate papo (foto: Juliana Neri)

Os estudantes do SENAI, unidade Dendezeiros, participaram da exibição do filme “Òrun Àiyé: a Criação do Mundo”, seguida de bate papo com a cineasta Cintia Maria. A atividade foi realizada na manhã da última sexta-feira (25) e faz parte das ações realizadas pelo Núcleo de Documentação e Informação da instituição em comemoração ao Dia da Consciência Negra.

Após a exibição do filme, Cintia falou um pouco sobre o processo de produção da animação, que é uma ferramenta importante para o conhecimento sobre a religiosidade afro-brasileira, facilitando as discussões sobre racismo e intolerância religiosa. “Nós realizamos uma série de atividades educacionais e culturais ao longo de 2016 e chamamos a diretora Cintia Maria como forma de marcar o Novembro Negro, fomentando um debate sobre liberdade religiosa, que foi o tema da redação do Enem esse ano”, explicou a assistente de biblioteca Juliana Neri.

Os alunos participaram com perguntas e ainda compartilharam experiências pessoais sobre religião e identidade racial. Para Juliana, o maior objetivo da atividade, que envolveu alunos que estão saindo da adolescência e entrando na fase adulta, foi atingido. “É importante promover esse tipo de reflexão para além dos conteúdos didáticos que eles aprendem nos cursos técnicos. Nosso objetivo é estimular uma reflexão social e cultural nos alunos”, contou.

15179167_1199780293421867_5938370632793594295_n
Journal

Secretaria de Cultura da Bahia tem bate papo e exibição de filme em combate ao racismo institucional

15168765_1199779960088567_6899448284746260053_o
Emília Couto fala sobre racismo institucional.

Como parte da programação do Novembro Negro, os servidores da Secretaria de Cultura da Bahia (SECULT) participaram da exibição do filme “Òrun Àiyé: a Criação do Mundo” na manhã dessa segunda-feira (22). A animação, que conta a história da origem do terra e dos homens a partir da cultura iorubá, foi utilizada como ferramenta lúdica para a discussão sobre racismo institucional. A atividade é uma parceria com o programa de Turismo Étnico da Secretaria do Turismo da Bahia, através da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM).

A técnica de qualificação da SETUR Emília Couto iniciou o bate papo falando sobre a necessidade de ações em combate ao racismo institucional, termo criado no final dos anos 1960 pelos ativistas Stokely Carmichael e Charles V. Hamilton, do movimento Black Power. Em seguida, a técnica Carine Campos, também da Secretaria de Turismo, apresentou dados sobre a população negra e o racismo no Brasil, salientando que a prática é crime previsto no Código Penal.

Para Emília, a exibição da animação é importante para que as pessoas comecem a desconstruir velhos preconceitos sobre as religiões de matriz africana. “Nos dá muita alegria em ver pessoas interessadas em fazer algo diferente. O filme traz exatamente a informação correta, não distorcida, de uma religião que tem uma riqueza milenar e é uma oportunidade para que possamos discutir temas importantes como o preconceito”, disse.

Em sua fala de abertura, a cineasta Jamile Coelho elogiou a iniciativa de discutir o tema com os agentes públicos dentro do ambiente de trabalho e da importância de práticas que visem o combate ao racismo.

Novembro Negro – Durante todo o mês a Sepromi e demais órgãos estaduais realizam e apoiam diversas atividades na capital e no interior, tendo como ponto alto o 20 de novembro, instituído como Dia Nacional da Consciência Negra, em memória ao líder quilombola Zumbi dos Palmares. São seminários, eventos culturais, rodas de diálogo, além de entrega de títulos de terra e certificados para povos e comunidades tradicionais nos territórios de identidade, em cumprimento ao Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa.

15107327_1194792437253986_8989842083888646746_n
Journal

Servidores do Estado participam de ação em combate ao racismo institucional

Bate papo e exibição de filme nas Secretarias de Turismo e Políticas para as Mulheres buscaram melhorias do atendimento à população negra e afro-religiosa

15107327_1194792437253986_8989842083888646746_nOs servidores das Secretarias de Turismo (SETUR) e de Políticas para as Mulheres (SPM) da Bahia participaram nesta quinta-feira (17) de uma atividade lúdica em combate ao racismo institucional, como parte da programação do Novembro Negro. A tarde foi dedicada à exibição da animação “Òrun Àiyé: a Criação do Mundo”, que conta a história da origem do terra e dos homens a partir da cultura yorubá. Em seguida, houve uma conversa com as diretoras Cintia Maria e Jamile Coelho, criadoras do filme.

Tâmara Azevedo, supervisora de projetos da Fundação Luís Eduardo Magalhães, vinculada à SETUR, deu início às atividades falando sobre os desafios de combater o racismo institucional e a necessidade de melhorias no atendimento. Em seguida, Jucinalva Peruna e Alexandro Reis, da SPM, falaram sobre ações direcionadas às mulheres negras.

Após a exibição do filme, Jamile Coelho e Cintia Maria conversaram com os servidores e mostraram, de maneira didática, como o processo de animação funciona na prática. O assessor especial Anderson Jamaica, da Secretaria de Políticas para as mulheres elogiou a iniciativa, destacando a importância de atividades como essa. “Foi uma tarde maravilhosa, uma coisa diferenciada para comemorar o mês da Consciência Negra. O filme é muito lindo, remetendo à história dos nossos ancestrais. É uma coisa boa porque você pode contar a história para crianças e adultos”, disse.

A atividade é uma parceria com o programa de Turismo Étnico da Secretaria do Turismo da Bahia, através da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM), e faz parte das ações que vêm sendo desenvolvidas pela Setur como forma de enfrentamento ao racismo institucional.

Novembro Negro – Durante todo o mês a Sepromi e demais órgãos estaduais realizam e apoiam diversas atividades na capital e no interior, tendo como ponto alto o 20 de novembro, instituído como Dia Nacional da Consciência Negra, em memória ao líder quilombola Zumbi dos Palmares. São seminários, eventos culturais, rodas de diálogo, além de entrega de títulos de terra e certificados para povos e comunidades tradicionais nos territórios de identidade, em cumprimento ao Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa.

15129645_1194312197302010_2208408510396818273_o
Journal

Série de animação Òrun Àiyé lança campanha de financiamento coletivo

15129645_1194312197302010_2208408510396818273_oAs diretoras baianas Jamile Coelho e Cintia Maria lançaram, no dia 4 de novembro, uma campanha de financiamento coletivo no Catarse (https://www.catarse.me/orunaiye) para produzir o segundo episódio da série de animação Òrun Àiyé, premiada nacional e internacionalmente.

O projeto tem meta inicial de R$ 50 mil e prazo para apoio até 3 de janeiro de 2017, com contribuições a partir de R$ 10. Todo o valor arrecadado será utilizado na produção do curta de animação “Òrun Àiyé — As Águas de Oxalá”, que conta a história de Luna, uma curiosa garotinha negra de oito anos que enfrenta dificuldades para encontrar livros sobre a mitologia africana, tema escolhido por ela para apresentar um trabalho na escola.

A partir da jornada de Luna, o telespectador será transportado para a África ancestral (Àiyé) e o mundo espiritual (Òrun), através da narração da história das Águas de Oxalá e a saga de Oxalufã para visitar o reino de Xangô. O curta oferece saberes acerca do panteão do candomblé e constitui uma ferramenta imprescindível para a as discussões e o conhecimento sobre a história, a cultura e a religiosidade afro-brasileira.

O filme tem argumento criado pelas diretoras Jamile Coelho e Cintia Maria (premiadas no Festival Internacional Brasil Stop Motion e 20º Florianópolis Audiovisual Mercosul) e roteiro de Iara Sydenstricker (TV Globinho e  Bambuluá). Com duração total de 17 minutos, “Òrun Àiyé – As Águas de Oxalá” adotará um estilo de direção de arte próprio, mesclando diferentes técnicas de animação: computação gráfica, 2D, motion grafics, maquetes e 3D.

Recompensas

Os interessados podem colaborar com valores que vão de R$ 10 a R$ 5 mil e dão direito a diferentes recompensas, com entrega estimada para março de 2017. Nas recompensas a partir de R$ 51, é possível adquirir o DVD de “Òrun Àyié: a Criação do Mundo”, com o valor do frete incluso para todo o Brasil. Há também opções de receber convites para a pré-estreia em Salvador, posters, caderninhos e camisetas personalizadas do filme.

Além de adquirir diversas recompensas, quem contribuir com R$ 500 também vai patrocinar uma oficina de animação em stop motion para adolescentes e adultos em um terreiro de candomblé em Salvador. Já na recompensa de R$ 5 mil, é possível levar o lançamento de “Òrun Àiyé – As Águas de Oxalá” para qualquer cidade do Brasil, com a presença das diretoras Cintia Maria e Jamile Coelho.

“A nossa primeira meta é de R$ 50 mil e, com esse valor, vamos conseguir desenvolver o projeto com duração de cinco minutos”, explica Cintia. Atingindo a segunda meta, no valor de R$ 80 mil, será possível produzir os 17 minutos da animação. “Se conseguirmos atingir a terceira meta, que é de R$ 120 mil, nós vamos conseguir fazer uma coisa muito importante, que é desenvolver os 17 minutos do projeto e fazer o lançamento do filme em 12 terreiros de candomblé de 12 estados diferentes do Brasil”, completa a diretora.

Com o sucesso do primeiro episódio da série, que estreou no dia 15 de janeiro com cinco sessões lotadas, as expectativas para dar continuidade ao trabalho são as melhores. “Nós ficamos muito felizes com o resultado e a recepção do público no primeiro episódio e esperamos atingir nossa meta para continuar esse trabalho, que fazemos com muita dedicação e respeito”, conta a diretora Jamile.

O primeiro episódio da série Òrun Àiyé já foi selecionado em 12 festivais em diversos países e ganhou os prêmios de Melhor Animação no Festival de Cinema Largo Film Awards, em Genebra, na Suíça, e Melhor Animação da Diáspora no Silicon Valley African Film Festival, no Vale do Silício, Estados Unidos.

O Quê: Campanha de financiamento coletivo da série Òrun Àiyé no Catarse

https://www.catarse.me/orunaiye

Quando: De 5 de novembro de 2016 a 3 de janeiro de 2017

Facebook: https://www.facebook.com/OrunFilme/

Site: http://www.orunfilme.com.br/

Vimeo: https://vimeo.com/estandarte

14915405_1193604574039439_5205638883945123924_n
Journal

Museu da Gente Sergipana recebe filme “Òrun Àiyé” e bate papo com diretoras

14915154_746867408800712_5159837269881358327_nA animação em stop motion “Òrun Àiyé: a Criação do Mundo” será lançada em Aracaju no dia 18 de novembro, no Museu da Gente Sergipana. A primeira sessão, exclusiva para estudantes da rede pública de ensino, será realizada às 14h30. A segunda, aberta ao público, acontecerá às 15h30.

As duas exibições serão seguidas de bate papo com as diretoras Jamile Coelho e Cintia Maria, que falarão sobre o processo de criação do filme e responderão a perguntas do público. A entrada acontecerá mediante a doação de 1kg de alimento não perecível.

O evento é uma realização da Comissão de Liberdade Religiosa da OAB/SE em parceria com a Secretaria de Educação com apoio do Museu da Gente Sergipana, Araras Praia Hotel, Candiero Ilustrado e Ppgcine – Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Cinema, da Universidade Federal de Sergipe.

site-racismo-institucional01
Journal

Novembro Negro tem oficinas de animação em combate ao racismo institucional e exibição de “Òrun Àiyé”

Oficinas de animação em stop motion serão utilizadas como ferramenta de sensibilização para melhoria do atendimento à população negra e afro-religiosa

racismo-institucional-card

As diretoras baianas Jamile Coelho e Cintia Maria realizarão, durante o Novembro Negro, uma série de oficinas no projeto Oficina de Animação em Stop Motion, em parceria com o programa de Turismo Étnico da Secretaria do Turismo da Bahia, através da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM). A ação acontecerá nos dias 16, 17, 22, 29 e 30 deste mês, na Bahiatursa e nas secretarias de Promoção da Igualdade Racial, Turismo, Cultura e Política para as Mulheres do Governo do Estado. Em seguida, haverá exibição da animação “Òrun Àiyé: a Criação do Mundo” e debate.

A supervisora de projetos da FLEM, Tâmara Azevedo, explica que a iniciativa faz parte das ações que vêm sendo desenvolvidas pela Secretaria de Turismo como forma de enfrentamento ao racismo institucional. “Essa é uma ação para que a gente possa alcançar diversas secretarias, para que estes servidores estejam sensibilizados no combate ao racismo”, conta. Para ela, a realização das oficinas é importante para que o assunto seja discutido entre os colegas no ambiente de trabalho, mostrando o objetivo do estado de se chegar a uma sociedade mais equilibrada.

As oficinas terão como base temática o respeito ao pertencimento étnico-racial e à religiosidade, assim como ao cumprimento da missão institucional de atender à população baiana com igualdade e respeito, sensibilizando os agentes públicos no combate ao racismo institucional. “Pretendemos utilizar o cinema como ferramenta na sensibilização dos agentes públicos para esse tema, com o objetivo de conseguir melhorias no atendimento à população negra e afro-religiosa”, explica Jamile Coelho.

Com duração de sete horas e composição de quinze alunos por turma, totalizando setenta e cinco multiplicadores atendidos, as oficineiras ensinarão conceitos básicos da modalidade stop motion, com demonstrações práticas das diferentes etapas do processo de animação. A facilitadora Cintia Maria explica que a ideia é envolver os participantes em todo o percurso criativo. “Entre os tópicos abordados na nossa oficina, estão análise e criação de roteiro, realização de story board, edição de imagem e som e animação de objetos”, diz.

Premiadas nacional e internacionalmente, as diretoras baianas têm em sua formação grandes mestres da animação internacional, como Barry Purves, um dos animadores mais famosos da Grã-Bretanha.

Programação

Dia 16/11 (quarta-feira): Secretaria de Promoção da Igualdade Racial – auditório do 2º andar.

Dia 17/11 (quinta-feira): Secretaria de Turismo – auditório do 5º andar.

Dia 22/11 (terça-feira): Secretaria de Cultura – sala de reunião Palácio Rio Branco.

Dia 29/11 (terça-feira): BAHIATURSA – sala de reunião Palácio do Rio Branco.

Dia 30/11 (quarta-feira): Secretaria de Política para as Mulheres – auditório do 5º andar.

Novembro Negro – Durante todo o mês a Sepromi e demais órgãos estaduais realizam e apoiam diversas atividades na capital e no interior, tendo como ponto alto o 20 de novembro, instituído como Dia Nacional da Consciência Negra, em memória ao líder quilombola Zumbi dos Palmares. São seminários, eventos culturais, rodas de diálogo, além de entrega de títulos de terra e certificados para povos e comunidades tradicionais nos territórios de identidade, em cumprimento ao Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa.

paxua-e-paramim
Journal

Oficina de animação em stop motion Paxuá e Paramim na Flica

arte-paxua-e-paramim-2Através dos personagens Paxuá e Paramim criados pelo artista Carlinhos Brown, as distribuidoras do Grupo Neoenergia disseminarão, de forma lúdica, nos projetos voltados para as crianças e a comunidade em geral, os conceitos de utilização de energia de forma eficiente e a prevenção de acidentes envolvendo eletricidade. O projeto educativo conta com 10 episódios, games para web, shows infantis e oficinas de animação em stop motion!

A primeira oficina de Animação em Stop Motion com #PaxuáEParamim será lançada durante a Festa Literária de Cachoeira, @Flica, neste sábado (15), com duas turmas, uma pela manhã (9h) para pessoas a partir de 14 anos e outra pela tarde (14h) para crianças entre 5 e 13 anos. As oficinas são gratuitas e serão ministradas pelas oficineira Jamile Coelho e Cintia Maria, no @Instituto Roque Araújo. As turmas estão sujeitas a lotação, 15 pessoas por turma. Os pais deverão auxiliar as crianças durante a oficina infantil. Saiba mais sobre esse projeto: www.paxuaeparamim.com.br

Essa oficina é o resultado de uma parceria do Núcleo Baiano de Animação em Stop Motion, através da Estandarte Produções com a CandyAll Entertainment.

 

Serviço:

O quê: Oficina de animação em stop motion Paxuá e Paramin

Quando: 15 de outubro, às 9h e 14h

Onde: Instituto Roque Araújo, Festa Literária de Cachoeira

Sem categoria

MinC lança edital para longas-metragens independentes

brasil_de_todas_as_telasComo parte do Programa Brasil de Todas as Telas – Ano 3, o MinC lançou novo edital para a realização de longas-metragens brasileiros independentes de ficção, animação ou documentário, com destinação inicial para as salas de exibição.

O orçamento total é de R$ 45 milhões, oriundos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). As inscrições, que ficam abertas até o dia 17 de outubro, serão realizadas no site do BRDE (link aqui).

No mínimo 30% dos recursos disponíveis serão destinados a projetos audiovisuais de produtoras independentes localizadas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste e, no mínimo, 10% para projetos audiovisuais de produtoras independentes localizadas na região Sul ou nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, para atender a lei de regionalização dos investimentos.

Desde o seu lançamento, Programa Brasil de Todas as Telas, lançado em julho de 2014, já contemplou 437 longas-metragens e 453 séries ou telefilmes, garantindo o desenvolvimento de 700 novos projetos de obras audiovisuais.

*Com informações dos sites da Ancine e do MinC

DESTAQUE02 NUCLEO BAIANO DE STOP MOTION NUBAS
Journal

Terreiro baiano recebe oficina gratuita de animação em stop motion

Crianças e jovens tem a oportunidade de criar seus próprios curtas e aprender sobre a técnica

arte-axe-gezubunApós dois meses de realizações de atividades gratuitas em terreiros baianos, a Òrun Àiyé: Oficina de Stop Motion volta a acontecer em Salvador no próximo domingo, 9, no Ilê Axé Gezebun, em Tancredo Neves. A aula, que acontecerá das 14h às 17h, será ministrada pelas cineastas Jamile Coelho e Cíntia Maria, que produziram e dirigiram Òrun Àiyé: a Criação do Mundo, reexibido recentemente da sala Walter da Silveira, em Salvador e premiado no Festival Largo Film Awards, em Genebra, na Suíça.

Voltada para jovens e crianças a atividade pretende, de acordo com Jamile Coelho, casar técnica cinematográfica e vivência religiosa, ligada a ancestralidade. “Nós procuramos repassar para nossos estudantes como o stop motion pode ser útil para eles. Não é fácil como pode parecer, mas é possível e nós acreditamos que todos tenham capacidade para desenvolver e, talvez, se profissionalizarem na área”, contou.
A atividade já passou por sete terreiros sempre buscando desenvolver nos participantes o olhar sensível do stop motion e a autonomia para futuros projetos. Esta iniciativa faz parte da programação do Núcleo Baiano de Animação em Stop Motion (NUBAS) através do edital Arte em Toda Parte III Edição com apoio da Associação Brasileira de Preservação da Cultura Afro-Ameríndia (AFA), da Fundação Gregório de Matos (FGM) e da Prefeitura de Salvador.

Serviço:
O que: Oficina de animação em Stop Motion
Onde: Terreiro Ilê Axé Gezebun – Ed. Rua Manoel Rufino, 20. E – Vila São Lázaro – Tancredo Neves/ Beiru.
Referência: Próximo a entrada de Arenoso
Horário: 14h às 17h Quanto: Gratuito

vudun_zo_savalu_nubas_stop_motion
Journal

Terreiro Vodun Zo recebe oficina de Stop Motion

A casa fechou o ciclo da segunda etapa do projeto que segue, agora, para exibição de todos os curtas

14372296_305197956517556_8672338591933535723_oNo ultimo domingo, dia 18, o terreiro Hunkpame Savalu Vodun Zo Kwe, o único da nação Jêje Savalu na diáspora africana, localizado no bairro do Curuzu, recebeu a Òrun Àiyé: Oficina de Animação em Stop Motion com as cineastas Jamile Coelho e Cintia Maria. Os jovens e crianças puderam ter um contato próximo com a técnica que compreende em mesclar uma série de fotografias que dão origem a um curta.

Para o presidente da Associação Brasileira de Preservação da Cultura Afro-Ameríndia (AFA), Leonel Monteiro as oficinas proporcionam “um momento único na vida dos participantes”. “Acaba sendo um caminho para uma possível profissão na área de produção cinematográfica. Algo que parecia estar tão distante e que agora está palpável graças a este trabalho. É muito importante, também, para alavancar nas crianças e jovens habilidades cognitivas que vão contribuir para o desenvolvimento de todos eles”, explicou.

A jovem Camila Caracol, para participar da oficina, entrou pela primeira vez em um terreiro. Ela conta que a oportunidade serviu como uma forma de desmistificar ideais que rondam a sociedade. “Eu, que não faço parte da religião, fui super bem recebida e a oficina fluiu super bem. Além disso, ver o resultado é muito bacana. A principio é inimaginável porque você vê o desenho parado e depois reparar o processo, o trabalho em conjunto.. é muito legal”, afirmou.

O próximo passo é a exibição dos curtas desenvolvidos pelos participantes ao longo das oficinas. A ação será realizada no sábado, dia 24, às 19h, na sala Walter da Silveira, nos Barris. Os ingressos custam R$10 e R$5 reias. A iniciativa faz parte da programação do Núcleo Baiano de Animação em Stop Motion (NUBAS) através do edital Arte em Toda Parte III Edição.