Journal

Crianças criam suas próprias histórias em oficina de animação

A atividade ainda irá acontecer em dois terreiros localizados na capital baiana

As crianças do terreiro Ilê Axé Iboro Odé, em São Gonçalo do Retiro, com idades entre três e oito anos, puderam conhecer de perto no último sábado (3) o projeto Òrun Àiyé: Oficina de Animação em Stop Motion, com as cineastas Jamile Coelho e Cintia Maria.

As r14237706_298813893822629_5215100225450638345_noupas tradicionais, assim como os ojás e eketés, mostravam a importância de reafirmar a ancestralidade e resistência religiosa. Além disso, as mãos inquietas que tateavam os bonecos personagens e os outros objetos tinham apenas uma finalidade: criar. Uma das crianças produziu o filme “O monstro guloso”, que tratava de um monstro, feito com massa de modelar, que engolia carros.

Para Jamile Coelho, observar as narrativas criadas pelas crianças é muito importante. “Precisamos ressaltar a ludicidade presente nas histórias produzidas por eles que sempre caminham na busca de transformar o impossível em possível através da animação em Stop Motion.”

As próximas oficinas já tem data marcada: dia 10/09 no Ilê Axé Omo Om14232508_298813880489297_1655070720015040338_nin Tunde, localizado em Plataforma/Parque São Bartolomeu e dia 18/09, no Curuzu, no Hunkpame Savalu Vodun Zo Kwe. A iniciativa faz parte da programação do Núcleo Baiano de Animação em Stop Motion (NUBAS) através do edital Arte em Toda Parte III Edição.

De acordo com o babalorixá Dimas Santos, projetos como as oficinas são de “extrema importância, pois podem ser o despertar de um novo sonho”. “A criança tem aquilo de tudo ser novo e interessante, então quando elas têm a oportunidade desse contato, pode ser um incentivo para que elas vejam uma nova possibilidade no mundo, um novo horizonte para, quem sabe, acabar seguindo nesse caminho”, disse.

No final do dia, o babalorixá se juntou no barracão com as crianças e todos da comunidade para assistir o curta “Òrun Àiyé: a Criação do Mundo”, saboriando acará, acaçá e abará.

Write A Comment