vudun_zo_savalu_nubas_stop_motion
Journal

Terreiro Vodun Zo recebe oficina de Stop Motion

A casa fechou o ciclo da segunda etapa do projeto que segue, agora, para exibição de todos os curtas

14372296_305197956517556_8672338591933535723_oNo ultimo domingo, dia 18, o terreiro Hunkpame Savalu Vodun Zo Kwe, o único da nação Jêje Savalu na diáspora africana, localizado no bairro do Curuzu, recebeu a Òrun Àiyé: Oficina de Animação em Stop Motion com as cineastas Jamile Coelho e Cintia Maria. Os jovens e crianças puderam ter um contato próximo com a técnica que compreende em mesclar uma série de fotografias que dão origem a um curta.

Para o presidente da Associação Brasileira de Preservação da Cultura Afro-Ameríndia (AFA), Leonel Monteiro as oficinas proporcionam “um momento único na vida dos participantes”. “Acaba sendo um caminho para uma possível profissão na área de produção cinematográfica. Algo que parecia estar tão distante e que agora está palpável graças a este trabalho. É muito importante, também, para alavancar nas crianças e jovens habilidades cognitivas que vão contribuir para o desenvolvimento de todos eles”, explicou.

A jovem Camila Caracol, para participar da oficina, entrou pela primeira vez em um terreiro. Ela conta que a oportunidade serviu como uma forma de desmistificar ideais que rondam a sociedade. “Eu, que não faço parte da religião, fui super bem recebida e a oficina fluiu super bem. Além disso, ver o resultado é muito bacana. A principio é inimaginável porque você vê o desenho parado e depois reparar o processo, o trabalho em conjunto.. é muito legal”, afirmou.

O próximo passo é a exibição dos curtas desenvolvidos pelos participantes ao longo das oficinas. A ação será realizada no sábado, dia 24, às 19h, na sala Walter da Silveira, nos Barris. Os ingressos custam R$10 e R$5 reias. A iniciativa faz parte da programação do Núcleo Baiano de Animação em Stop Motion (NUBAS) através do edital Arte em Toda Parte III Edição.