O Nubas

Núcleo Baiano de Animação em Stop Motion

Criado em 2014 pela Estandarte Produções, o Núcleo Baiano de Animação em Stop Motion (NUBAS) se destaca por realizar ações que visam o empoderamento e qualificação profissional da juventude negra através da sétima arte. Além do desenvolvimento de ações formativas, o projeto tem em suas bases pedagógicas o enfrentamento do racismo e a inclusão social.

O NUBAS tem filosofia focada na democratização das oportunidades de criação, circulação e fruição do acesso ao desenvolvimento audiovisual, tendo em vista a promoção de conteúdos que valorizem o pertencimento identitário da população afro‐brasileira, uma vez que toda a formação tem como base o desenvolvimento de roteiros voltados para relatos de vivências, experiências e resgate de memórias deste público.

 

O POVO NUBA

O Sudão é palco de uma guerra civil há mais de 20 anos, onde já morreram mais de um milhão de pessoas. O povo do Norte, que segue a religião muçulmana, e o do Sul, onde é maior o número de cristãos e fiéis a religiões tradicionais, travam uma luta fratricida – porque os habitantes do Sul rejeitam as imposições do Governo militar e fundamentalista islâmico de Cartum, a capital do Sudão.

Os nubas são cerca de 800 mil pessoas, que resistem como podem à agressão governamental. Perseguidos, com as aldeias sistematicamente destruídas, as igrejas queimadas e fechados em verdadeiros campos de concentração, os nubas não desistem e se recusam a ser escravos ou “cidadãos de segunda”, refugiando-se nas montanhas, agrupados em pequenas aldeias, onde continuam a viver as suas tradições e costumes, ensinando aos mais jovens o direito à diferença e o respeito pelos outros, incluindo os que os desrespeitam.

O refúgio dos nubas nas montanhas permitiu que o mundo acreditasse em lendas e mistérios. Os turistas podem visitar uma boa parte de África, mas ninguém se atreve a violar o espaço dos nubas, tidos como pessoas tolerantes e carinhosas por natureza, apesar do isolamento em que vivem.

Cultivam a luta corpo a corpo, pintam-se com tatuagens que identificam as comunidades a que pertencem, tocam os seus instrumentos, amam o canto e a poesia e decoram magistralmente o seu artesanato, talhando habilmente em madeira as imagens religiosas.

Em escolas criadas de improviso, as crianças nubas se preparam para o futuro. Todos os ensinamentos, sejam de línguas ou outros, passam sempre pelo respeito uns pelos outros, pelas outras culturas, pelo direito à diferença. Aos nubas, pouco mais resta do que a sua coragem e a confiança em Deus.

DESTAQUE02 NUCLEO BAIANO DE STOP MOTION NUBAS