Nubas

Núcleo Baiano de Animação em Stop Motion

O Núcleo Baiano de Animação e Stop Motion (NUBAS), é um estúdio escola, que visa formação profissional na área cinematográfica com foco em animação, através do ensino de diferentes técnicas. O núcleo visa ainda a democratização e o acesso às ferramentas tecnológicas mais avançadas do mercado.  

As aulas contam com profissionais experientes e cineastas reconhecidos no mercado nacional e internacional. Além dos cursos regulares são ofertados master class, workshop, palestras e oficinas. A escola abriga também uma série de eventos e palestras abertas ao público, bem como aulas especiais com cineastas, proporcionando uma série de discussões sobre o audiovisual.

Criado em 2014, pela Estandarte Produções, o NUBAS já formou mais de 220 jovens e adultos realizando parceria com diversas instituições SESC, Sebrae, Itaú Cultural, Campus Party, Secretaria de Tecnologia da Bahia, Caixa Cultural, Instituto Mídia Étnica, Vale do Dendê, entre outros.

 

PONTO DE CULTURA
O Núcleo Baiano de Animação e Stop Motion é certificado como Ponto de Cultura através do Programa Cultura Viva, do Ministério da Cultura, que se baseia na criação de uma rede horizontal de articulação, recepção e disseminação de iniciativas culturais. Criados para dar condições de sustentabilidade a projetos e manifestações culturais sem fins lucrativos que desenvolvem ações nas comunidades locais.

 

O POVO NUBA

Os nubas são cerca de 800 mil sudaneses, que resistem como podem à agressão governamental. Perseguidos, com as aldeias sistematicamente destruídas, as igrejas queimadas e fechados em verdadeiros campos de concentração, os nubas não desistem e se recusam a ser escravos ou “cidadãos de segunda”, refugiando-se nas montanhas, agrupados em pequenas aldeias, onde continuam a viver as suas tradições e costumes, ensinando aos mais jovens o direito à diferença e o respeito pelos outros, incluindo os que os desrespeitam.

Em escolas criadas de improviso, as crianças nubas se preparam para o futuro. Todos os ensinamentos, sejam de línguas ou outros, passam sempre pelo respeito uns pelos outros, pelas outras culturas, pelo direito à diferença.